A Digitalização da Identificação

Gil Rodrigues

Membro da Comissão de Coordenação Estratégica – Internacionalização

Imprensa Nacional – Casa da Moeda

A identificação digital constitui-se como um componente essencial do bom funcionamento das sociedades cada vez mais digitais, uma vez que pode fornecer provas de identidade inequívocas que permitem a prestação de diversos serviços públicos e privados, via web ou aplicativos móveis, com confiança e sem necessidade de atendimento presencial.

Cada vez mais o valor criado na economia é suportado por plataformas digitais tornando critica a validação da identidade de todos os seus intervenientes, de forma segura e conveniente, e associada a tecnologias emergentes como a criptografia, biometria, inteligência artificial, blockchain ou a internet das coisas (IoT).

Para desbloquear o potencial da identificação digital é necessária uma colaboração inovadora entre os setores público, privado, oferecendo esquemas devidamente credenciados em termos técnicos e legais, e ao mesmo tempo, garantindo que as soluções implementadas são acessíveis e vinculadas aos serviços que as pessoas usam com mais frequência.

Para que este desafio possa ser concretizado é necessário que a identificação digital esteja disponível de forma universal e voluntária, que haja uma obrigatoriedade da sua aceitação por parte de prestadores de serviços e que os seus utilizadores possam assumir o controle da sua identidade e dos seus dados.

A INCM com séculos de atividade e a sua “Tradição de Inovar” oferece know-how único, fruto da sua experiência, no desenvolvimento de soluções de identificação digital mais seguras e convenientes para as colocar ao serviço de governos, cidadãos e empresas em todo o mundo.