CEO Challenge - Daniela Braga

20170901_DBC1146 copy (1).jpg

Daniela Braga, CEO DefinedCrowd

(English version)

 

Existem dois factores principais que levam à decisão de não termos a operação apenas em Portugal: o tamanho do mercado e a atitude adversa ao risco que os investidores portugueses ainda têm.

Se por um lado a Europa tem imenso talento — e é por isso que temos o nosso R&D em Lisboa e Porto, por outro é muito mais complicado executar um plano de crescimento rápido a partir apenas de Portugal, sobretudo na área de Inteligência Artificial. O mercado de Inteligência Artificial engloba as empresas da Fortune 500 e estas empresas estão essencialmente nos Estados Unidos e na Ásia-Pacífico. A juntar a isto, temos ainda a questão da tração dos clientes, uma vez que os ciclos de vendas nos Estados Unidos são muito mais rápidos.

Além disso, é muito complicado chegar a um investidor em Portugal com uma ideia e ser financiado. Porque os investidores portugueses pedem milhares de provas antes de investirem 100 mil dólares, enquanto aqui na América é possível ir com uma ideia e um PowerPoint para obter os mesmos 100 mil dólares. Tem a ver com conservadorismo e com a oportunidade de mercado.

É importante também perceber que vamos encontrar vários desafios ao longo do caminho, seja nos EUA, Portugal ou em qualquer parte do mundo. Não há mês nenhum na vida de uma startup que seja igual ao anterior. Os desafios são sempre diferentes todos os meses e não há momento nenhum, sobretudo numa trajetória rápida, em que se consiga dizer “esta parte está controlada”. Não está. A vida de uma startup é sempre assim, muito dinâmica. Mas eu adoro esta dinâmica.

Em relação ao investimento, depende das fases. 

Na fase inicial de pre-seed, os investidores valorizam os fundadores e o seu track record na área de especialização, sobretudo em tecnologia. É claro, a ideia tem de fazer sentido, mas é essencialmente a equipa que é avaliada nesta fase.

Na fase de seed continua a ser importante a equipa e a ideia, mas é preciso existir já alguma tração. Já é preciso ter um produto viável. Não é preciso ter receita, mas é importante ter alguns clientes já interessados e a utilizar o produto.

Na fase em que nos encontramos já é diferente. A Leadership Team é relevante, mas a validação do mercado é mais importante. Mais do que as receitas até à data, o rápido crescimento dessas receitas é fundamental. É preciso atingir certos indicadores. Para estar preparada para ir para uma série A, uma empresa tem de ter, no mínimo, 1.2 milhões de Annual Recurring Revenue, o que significa $200k por mês. No nosso caso, já excedemos bastante estes valores, o que faz inclusive com que já tenhamos interesse de investidores de growth capital ou private capital, que só entram quando as empresas estão perto de fazer pelo menos 5 milhões em receitas.

There are two main factors that lead to the decision not to operate only in Portugal: the size of the market and the fact that the Portuguese investors still have an adverse attitude towards risk.

If, on the one hand, Europe has lots of talent — and that is the reason why we have our R&D in Lisboa and Porto, on the other, it is much more complicated to implement a rapid growth plan based only in Portugal, especially in the area of Artificial Intelligence. The Artificial Intelligence market includes the Fortune 500 companies and these are essentially based in the United States and Asia Pacific. In addition to this, there is also client traction since the sales cycles in the United States are much faster.

Also, in Portugal it is quite complicated to talk with an investor about an idea and be financed. This happens because Portuguese investors ask for thousands of proofs before investing one hundred thousand dollars, while here in America it is possible to show an idea and a PowerPoint presentation and get the same one hundred thousand dollars. This is all about conservatism and market opportunity.

It is important to understand that we will face several challenges along the way, be it in the USA, Portugal or anywhere in the world.  In the life of a startup there is no routine. The challenges are always different every month and there is no moment, especially in a fast-paced trajectory, when you can say “this part is under control”. It is not. The life of a startup is always like this, very dynamic. But I love this dynamic.

As for the investment, it depends on the stages. 

At the initial pre-seed stage, investors value the founders and their track record in the field of specialization, especially in technology. Obviously, the idea must make sense, but it is the team that is essential evaluated at this stage.

At the seed stage, the team and the idea continue to be important, but there must be some traction already. You must have a viable product. No revenues, but it is important to have some clients already interested and that are using the product.

At the current stage, things are different. Leadership Team is relevant, but market validation is more important. More than revenue to date, the fast growth of that revenue is fundamental. Certain indicators must be achieved. In order to be prepared to go to a Series A, a company must have, at least, 1.2 million in Annual Recurring Revenue, which means 200 thousand per month. In our case, we have already far exceeded these amounts, which, by the way, makes us the focus of interest of growth capital or private capital investors that only step in when companies are close to having, at least, 5 million in revenue.

Daniela Braga, CEO DefinedCrowd