Glossário

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

Um programa ao qual as startups podem concorrer que proporciona orientação às mesmas, muitas vezes em troca de uma participação no seu capital, para as ajudarem a crescer. Maior parte das aceleradoras estão orientadas para ajudarem empresas no early-stage que se estão a preparar para financiamento de capital de risco.

O período durante o qual um colaborador de uma empresa é concedido o direito de compra de ações e contribuições por parte da entidade empregadora. Estes direitos normalmente adquirem valor (vest) ao longo do tempo até atingirem o seu pleno valor após um período pré-determinado de tempo. Por exemplo, se um colaborador for concedido o direito a 200 ações durante 10 anos, serão adquiridas 20 ações por ano. Isto incentiva o colaborador a trabalhar mais e melhor e a permanecer com a empresa durante mais tempo.

Ativos que não têm caráter duradouro ou permanente numa empresa. São ativos de curto prazo e de maior liquidez, tais como os depósitos à ordem, os débitos sobre terceiros e as existências.

Ativos constituídos por terrenos, edifícios e instalações, máquinas e equipamentos.

Ativo não monetário identificável sem substância física ou incorpóreo, tais como software, licenças e patentes.

Recursos detidos por uma empresa, com caráter de permanência ou continuidade, não se destinando a ser vendidos ou alvo de transformação decorrente das suas atividades normais.

O processo de procura de contribuições de capital por parte de investidores.

Documento contabilístico que reflete a situação financeira de uma empresa num determinado momento, registando os seus bens e os direitos (ativo), o capital próprio, e as obrigações da empresa perante terceiros (passivo).

Obstáculo que as empresas enfrentam ao entrarem num determinado mercado, provocados por empresas já instaladas, com o objetivo de impedir que novas empresas se estabeleçam e contribuam para baixar a rendibilidade do sector. As barreiras à entrada incluem, por exemplo, marca, patentes, direitos exclusivos de acesso a um canal de distribuição, altos investimentos necessários para a instalação.

Dificuldade de abandonar a indústria quando esta regista rendibilidades baixas ou mesmo negativas. Por exemplo, indústrias que requerem investimentos em ativos específicos tendem a ter maiores barreiras à saída.

Uma referência de mercado e processo pelo qual uma empresa compara e mede seu status atual. Um investidor faz referência ao crescimento de uma empresa validando se atingiram ou não determinados benchmarks, isto é, referências de mercado. Por exemplo, a empresa A alcançou o benchmark de receitas após 2 anos no mercado.

Orçamento periódico, normalmente anual, realizado por uma empresa, onde são incluídas as variáveis de custos, receitas e despesas.

Ponto a partir do qual a empresa começa a apresentar resultados de exploração positivos. Quanto mais baixo for o ponto crítico de uma empresa, mais facilmente a empresa o consegue atingir e menor será o seu risco económico.

Prática usada na criação de um negócio através de recursos próprios, sem investidores.

Um método de medição temporal que indica a taxa com que uma startup gasta o capital de exploração/capital próprio. As Burn Rates são habitualmente calculadas anual ou mensalmente, e em casos extremos podem ser calculadas semanal ou diariamente.

Comércio de empresa para empresa. Quando uma empresa tem como público-alvo para os seus produtos e serviços outra empresa. A tecnologia B2B é por vezes conhecida por tecnologia de empresas. É diferente da B2C, que se trata de comércio entre a empresa e o consumidor final, onde os produtos ou serviços são vendidos diretamente aos consumidores finais.

Investidor individual que investe diretamente o seu próprio dinheiro predominantemente em empresas em fase de arranque (seed) ou startup. Os BA tomam as suas próprias decisões de investimento e são financeiramente independentes, ou seja, uma possível perda total de seus investimentos de BA não vai mudar significativamente a situação económica dos seus ativos. Os BA, para além de investimento, fazem o acompanhamento e dão apoio estratégico aos empreendedores. São também conhecidos como Investidores Informais em Capital de Risco.

Conjunto de etapas de determinado processo das quais resulta a criação de valor para o destinatário final.

Uma tabela de capitalização (ou cap table) é uma tabela que discrimina a percentagem detida em determinada empresa, a diluição do capital e o valor do capital em cada ronda de investimento, pelos promotores, investidores e outros investidores.

Recursos financeiros atualmente disponíveis para investir em operações de financiamento. Os empreendedores angariam fundos para abrir uma empresa, e continuam a angariar fundos para promover o seu crescimento.

Fundos de apoio às empresas de pequena e média dimensão, já estabelecidas e com potencial de crescimento. Com duração média de cinco a sete anos, os recursos investidos financiam as primeiras expansões, levando o negócio a novos patamares no mercado.

O valor total do capital gerido pela Capital de Risco em seu nome e em nome dos seus investidores.

Processo de desenvolvimento de uma solução, no qual todas as partes interessadas são convidadas a ter um papel ativo, numa relação de igualdade e reciprocidade.

Direta: A concorrência entre duas empresas que comercializam o mesmo produto/serviço no mesmo mercado. Indireta: A concorrência entre duas empresas que comercializam produtos/serviços diferentes, mas que são utilizados para satisfazer ou considerados pelos consumidores que satisfazem a mesma necessidade de uma forma suficientemente adequada.

Um grupo de pessoas influentes, eleitos pelos acionistas, para supervisionar e gerir as operações de uma empresa. O Conselho de Administração habitualmente inclui investidores e mentores. Nem todas as start-ups têm um Conselho de Administração, mas os investidores normalmente exigem a participação no Conselho de Administração em troca do seu investimento na empresa.

Acordo pelo qual uma empresa concede a outra o direito de utilizar determinados conhecimentos (know-how) e explorar direitos de propriedade industrial contra um pagamento, expresso normalmente através de royalties.

Espaço de trabalho partilhado por empreendedores. O objetivo passa por partilhar todos os recursos necessários ao funcionamento de uma empresa ou projeto, o que, na maioria dos casos, permite um ambiente mais informal.

Crowdsourcing Modelo de produção que utiliza a inteligência e os conhecimentos coletivos e voluntários, geralmente espalhados pela Internet, para resolver problemas, criar conteúdo e soluções ou desenvolver novas tecnologias – e também para gerar fluxo de informação.

Um método de financiar uma empresa (‘equity crowdfunding’) ou a fabricação de produto (‘reward crowdfunding’) através da angariação de pequenas contribuições de um número grande de pessoas (a ‘multidão’), normalmente feito através da internet.

Conceito usado para especificar o prazo limite de uma determinada ação.

Fluxo de apresentações de projetos de investimento e propostas de negócio recebidas por investidores, como Business Angels, ou Sociedades de Capital de Risco. É uma medida da vitalidade do negócio neste ramo de atividade.

Documento contabilístico que evidencia os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na atividade desenvolvida pela empresa num determinado período.

Uma cláusula num contrato financeiro que permite a uma das partes denunciar os seus direitos e obrigações de acordo com e nos termos indicados no contrato ou implícitos no investimento.

Também conhecido pelos direitos supra pro-rata. A palavra pro-rata é derivada do termo Latino ‘em proporção.’ Um investidor de capital de risco com diretos supra pro-rata tem a opção de aumentar a sua participação numa empresa em rondas de financiamento posteriores.

A diminuição da participação (percentual) detida numa empresa pelos acionistas atuais quando a empresa emite novas ações.

O direito de recebimento prioritário estabelece que determinados investidores recebem o valor investido antes dos outros proprietários da empresa, se a empresa for vendida ou se ocorrer um outro evento de liquidez (reembolso).

Dívida que pode ser convertida em capital com base em determinadas condições, tipicamente valorização e data pré-determinadas.

Processo de análise/auditoria levado a cabo por uma pessoa ou entidade antes de entrar num negócio, nomeadamente antes de realizar um investimento numa sociedade ou empresa, com vista à minimização do risco incorrido.

Dívida que tem prioridade sobre outros valores mobiliários em caso de liquidação.

Fase inicial do ciclo de vida de uma empresa que compreende as fases Seed e Startup e, em geral, decorre até se iniciarem vendas recorrentes de produtos/serviços.

Indicador de fluxo de caixa calculado pela dedução de despesas ao valor das receitas sem levar em conta juros, impostos, depreciação e amortização.

Uma pessoa que inicia um negócio, assumindo todos os potenciais riscos e os ganhos.

O termo é tipicamente utilizado para fazer referência a uma empresa ou negócio (isto é uma empresa startup com base tecnológica é uma empresa que está a criar uma tecnologia para negócios).

Uma empresa em que uma determinada sociedade de capital de risco investe é considerada uma “empresa participada” dessa sociedade.

Também conhecido por empréstimo-swing. Um empréstimo a curto prazo para colmatar necessidades até obter o financiamento principal.

Uma demonstração de mercado que há valor reconhecido e aceitação por parte dos potenciais consumidores para adquirir o produto/serviço oferecido pela empresa.

Um empreendedor veterano que colabora com uma sociedade de capital de risco para apoiar a mesma na validação de potenciais investimentos e para servir de mentor para as empresas participadas da sociedade.

A venda de capital próprio num investimento de forma a realizar um investimento e reembolsar capital aos sócios de responsabilidade limitada.

O processo de completar todas as tarefas e condições da elaboração inicial do contrato para que o mesmo seja assinado e entre em vigor.

Financiamento de empresas em fase de instalação ou numa fase em que a operação tenha sido iniciada recentemente e o volume de vendas é ainda nulo ou muito reduzido.

Uma forma de capital híbrido tipicamente utilizado para financiar empresas jovens e maturas com fluxos de caixa positivos. É uma espécie de financiamento de dívida, mas que também tem instrumentos de capital ou opções incorporadas nele. As empresas a este nível, que já não são consideradas startups, mas que ainda não são cotadas, são tipicamente conhecidas como empresas de “nível intermédio”.

Financiamento destinado à investigação e desenvolvimento do conceito inicial, antes do negócio ter atingido a fase de early stage.

Quantidade de dinheiro que é recebido e pago por um negócio durante um determinado período.

O criador da empresa, os seus sócios, caso existam, são os co-fundadores.

Um instrumento de investimento que consiste no capital investido por sócios com responsabilidade limitada, angariado pelo sócio geral. Os fundos tipicamente têm sectores, regiões e valores negociados específicos, alvos do seu investimento.

Fundo criado para realizar investimentos de Capital de Risco.

Fundo criado para prestar apoio de um ou mais programas a vários instrumentos financeiros, nomeadamente outros fundos de investimento.

Diferença entre os ativos correntes e o passivo de curto prazo de uma empresa.

As F&A são operações em que as participações nas empresas ou nas suas unidades operacionais são transmitidas ou consolidadas com outras entidades. Enquanto que uma fusão é uma consolidação legal de duas entidades numa entidade única, uma aquisição é quando uma entidade adquire as ações, participações ou património de outra entidade, embora ambas as operações habitualmente resultam na consolidação de ativos e passivos por uma entidade.

Instituições ou iniciativas que oferecem às startups a oportunidade de desenvolverem as suas ideias de negócio, beneficiando-as com apoio prático em termos de infraestrutura e aconselhamento, por um determinado período de tempo. É uma analogia com os nascimentos de bebés: os que nascem frágeis ficam dentro da incubadora até terem condições para seguir a vida fora delas.

Tipo de financiamento classificado entre capital próprio e dívida, com um risco maior do que a dívida sénior e um risco menor do que o capital ordinário, e cujo retorno para o titular se baseia predominantemente nos lucros ou prejuízos da empresa-alvo subjacente, não sendo garantido em caso de incumprimento. Os investimentos de quase-capital podem ser estruturados como uma dívida, não garantida e subordinada, incluindo a dívida mezzanine, e, em alguns casos, convertível em capital próprio, ou como capital próprio preferencial.

Disponibilização de capital a uma empresa, capital esse que é investido, direta ou indiretamente, por contrapartida da propriedade de uma parte correspondente dessa empresa.

A sociedade de capital de risco ou investidor individual que investe o valor mais alto numa determinada ronda de financiamento numa empresa. Como financiador principal, o investidor principal determina a valorização atual da empresa e tipicamente a maioria das condições relevantes do financiamento.

Implementação de uma nova ideia ou melhoria de uma solução através de um novo produto, processo, método organizacional ou de marketing, com o objetivo de aumentar o desempenho, o conhecimento e a posição competitiva.

Um conjunto de medições que podem ser utilizados para avaliar o desempenho e estado de um determinado negócio ou setor. Os KPIs podem incluir medidas de crescimento da receita, taxas mensais de crescimento de utilizadores ativos para determinadas empresas tecnológicas ou taxas de alavancagem, entre muitos outros. Dependendo da estratégia e as iniciativas operacionais de uma determinada empresa, os KPIs têm prioridades diferentes.

inovação baseada em fundamentos científicos e/ou tecnológicos ao nível fundamental (e não apenas incremental) no estado da ciência, que motive uma diferenciação potencialmente capaz de catalisar mudanças numa indústria ou cadeia de valor e dar ao seu percursor uma capacidade de diferenciação vincada e claramente distintiva dos concorrentes.

“De acordo com o Artigo 3º do Regime Jurídico do Capital de Risco, do Empreendedorismo Social e do Investimento Especializado: 1 – Considera-se investimento em capital de risco a aquisição, por período de tempo limitado, de instrumentos de capital próprio e de instrumentos de capital alheio em sociedades com elevado potencial de desenvolvimento, como forma de beneficiar da respetiva valorização; 2 – As sociedades de investimento em capital de risco e os fundos de capital de risco são organismos de investimento alternativo fechados que em conjunto se designam «organismos de investimento em capital de risco».”

Investimento subsequente feito por um investidor que já tenha feito outro investimento na empresa.

Oferta Pública Inicial. A primeira oferta de ações de uma empresa quando abre o capital e passa a vender ações na bolsa de valores.

Participação de várias empresas no capital de uma unidade económica juridicamente independente, com o fim de desenvolverem uma atividade produtiva e/ou comercial, dando assim origem à partilha do respetivo património, lucros e risco do negócio.

O processo de liquidação de uma empresa através da venda de todos os seus ativos (tornando os líquidos).

Aquisição de uma empresa, pelos seus quadros, graças a financiamento externo.

É um encontro informal para promover a troca de ideias entre vários agentes do meio empresarial, desde CEOs a programadores, passando por investidores.

É um conselheiro empresarial. Tem um papel fundamental no processo de validação, início ou desenvolvimento de uma startup, quando os empreendedores mais necessitam. São também figuras muito conhecidas em eventos e competições de startups, assessorando os novos empreendedores no desenvolvimento de ideias e do modelo de negócio. Ter um bom mentor pode ser decisivo para um empreendedor vingar.

Grupo de consumidores a quem a empresa decide dirigir os seus produtos, serviços e ideias com uma estratégia destinada a satisfazer necessidades e preferências.

Consiste numa versão mais simples de um produto, criada com o mínimo esforço e recursos, utilizada para o teste e validação do negócio.

É a forma como a empresa vai criar valor, entregá-lo aos clientes e gerar rendimentos no processo.

O múltiplo do valor da empresa para a receita (VE/R) é uma medida do valor de ações comparáveis que é utilizado para determinar um valor de referência para o valor da empresa com base na sua receita.

É um acordo de confidencialidade que os empreendedores assinam com os credores ou parceiros para se certificarem de que a sua ideia não será copiada ou fabricada por outros.

É uma rede de contactos. Ampliá-la é um exercício fundamental para qualquer novo empreendedor que queira dar a conhecer o seu projecto.

Pequeno segmento de mercado constituído por um conjunto de consumidores com um perfil homogéneo e perfeitamente identificável.

Refere-se a um limite máximo colocado em obrigações de investidores numa ronda de financiamento. Por exemplo, quando os empreendedores e os investidores concordam em colocar um “cap” (tecto) na valorização da empresa ao qual as obrigações podem ser convertidas em capital. Isto significa que os investidores terão uma determinada percentagem de uma empresa em relação ao “cap” quando a empresa realizar outra ronda de financiamento, se a ronda for fixada a um preço mais elevado que o tal cap. As rondas sem “cap” são geralmente mais favoráveis para os empreendedores. Para que não hajam dúvidas, os empreendedores deverão ficar cientes de que o “cap” não é tipicamente o único determinante do preço numa obrigação com “cap”.

A opção de compra de ações (stock options) é vendida ou concedida por uma parte à outra e dá ao comprador da opção o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender a ação a um preço acordado dentro de um determinado período de tempo.

Expressão latina que significa “em igual passo”, “simultaneamente”, “a par”, “ao mesmo tempo”, significando em termos financeiros, em igualdade de condições, de modo que todas as partes sejam tratadas da mesma maneira. Por exemplo, quando se diz “os investidores receberão/pagarão pari passu”, significa que estes receberão/pagarão proporcionalmente ao seu comprometimento de investimento.

Dívidas da empresa, que devem ser pagas num prazo inferior a doze meses.

Um período de permanência (lock-up) é um período durante o qual os investidores de uma empresa estão proibidos de resgatar ou vender as ações.

Comunicação sumária, normalmente de 3 a 5 minutos, de uma proposta de valor de uma ideia de negócio, com o objetivo de encontrar um potencial investidor ou parceiro.

Pivot, ou pivotar, significa redirecionar o modelo de negócios da empresa em busca de saídas mais lucrativas, mas mantendo a base para não perder a posição já conquistada.

Valor que determinado segmento está disposto a pagar pelo produto.

Ato de desenvolver a oferta e a imagem da empresa para ocupar um lugar de destaque na mente dos clientes-alvo.

Conceito original ou nova aplicação de soluções técnicas tangibilizadas em produto ou serviço que são mais eficientes e eficazes na satisfação da necessidades face a alternativas existentes. O carácter inovador pode também decorrer de uma nova abordagem ao mercado ou modelo de negócio que permitam um crescimento significativo ao seu detentor.

O valor percecionado pelos clientes ou potenciais clientes relativamente a um produto/serviço diferenciado, que responde a um problema e satisfaz uma necessidade detetada. Pode ser aplicada a uma organização ou apenas a alguns produtos/serviços, sendo definida através da identificação e da criação de benefícios disponibilizados aos clientes ou potenciais clientes, o que determina o seu posicionamento de valor face aos concorrentes ou potenciais concorrentes.

Uma demonstração da viabilidade de um conceito ou uma ideia em que uma startup se baseia. Muitos investidores de capital de risco exigem uma prova de conceito se quiser fazer um ‘pitch’ com eles.

Fração de mercado que uma empresa ou produto/serviço detém, obtida pelo quociente entre as vendas do produto/serviço e as vendas totais no mercado.

Uma reorganização da estrutura de capital da empresa, alterando a combinação de capital e dívida. Uma empresa normalmente recapitaliza para se preparar para uma saída, impostos mais baixos ou para se defender de uma aquisição.

Recuperação financeira (turnaround) de uma empresa que tem tido fracos resultados durante algum tempo.

O famoso “retorno sobre o investimento”. É o dinheiro que um investidor recebe de volta como percentagem do valor que investiu na empresa. Por exemplo, se um investidor investe €2 milhões em contrapartida de uma participação de 20 por cento no capital social de uma empresa e essa empresa é adquirida por €40 milhões, o retorno do investidor é de €8 milhões.

São rondas de investimento no percurso de uma startup. Depois do seed capital, as empresas seguem para a primeira ronda, a Round A, à que se segue a B, e assim por diante.

Software como Serviço. Um produto de software alojado remotamente, normalmente através da internet (também conhecido por “na cloud”) para o qual o consumidor paga uma assinatura regular para o seu uso (não a sua aquisição) – que pode ser rescindido remotamente em caso de não pagamento ou rescisão contratual (daí ser um modelo de negócio de serviço, no entanto escalável).

Operador Financeiro que gere Fundos de Capital de Risco.

A sindicação é uma aliança criada com o objetivo de investir numa operação de grande dimensão que de outra forma seria difícil ou impossível para as entidades envolvidas realizar individualmente ou que preferem realizar em conjunto de forma a juntar recursos e partilhar o risco.

O mercado em que o produto ou serviço de uma empresa startup se insira. Por exemplo: tecnologia de consumo, tecnologia limpa, biotecnologia, e a tecnologia das empresas. Os investidores de capital de risco têm experiência em investir em determinados setores relacionados e, portanto, costumam não investir fora da área do seu conhecimento.

Refere a uma ronda de financiamento especifica que a empresa está a angariar. As rondas de financiamento de capital de risco tipicamente ocorrem após a verificação de determinadas metas (milestones): a Série A ocorre quando um investimento seed levou a empresa até onde podia; uma Série B poderá ocorrer quando a empresa está perto de atingir rentabilidade, mas necessita de capital para fazer face a necessidades de recrutamento ou desenvolvimento; Série C e D+ são conhecidas como rondas de late stage, e normalmente ocorrem quando a empresa já tem o seu modelo de negócio bem desenvolvido, está a gerar receitas significativas e quer expandir em grande escala.

Grupo de indivíduos com necessidades e preferências semelhantes em termos de consumo.

Fase anterior ao arranque formal de uma empresa, onde se avalia e desenvolve um conceito inicial de produto/serviço.

O capital semente, isto é, o valor que se capta quando o negócio ainda está em fase inicial, para poder dar os primeiros passos no mercado. Nessa fase, há os seed rounds, as rondas de investimento inicial, para levantar o primeiro dinheiro externo a entrar numa startup (seed money).

Liquidação de participações realizada por um intermediário financeiro ou investidor, incluindo a venda comercial, as amortizações por perda, o reembolso de ações/empréstimos, a venda a outro intermediário financeiro ou a outro investidor, a venda a uma instituição financeira e a venda por oferta pública, incluindo uma oferta pública inicial (OPI).

Um investidor, normalmente uma instituição ou investidor credenciado, que investe numa sociedade limitada de ‘private equity’.

Criação de uma nova empresa independente, de produtos ou serviços inovadores, gerados inicialmente a partir de um projeto numa empresa-mãe já existente.

A fase de desenvolvimento em que se encontra uma empresa. Não existe nenhuma regra explícita que define cada fase, mas tende a ser categorizada por early stage, mid-stage e late stage.

Uma startup é uma empresa nova, até mesmo embrionária ou ainda em fase de constituição, que conta com projetos promissores, ligados à pesquisa, investigação e desenvolvimento de ideias inovadoras. Há um alto risco envolvido no negócio. Mas, apesar disso, são empreendimentos com baixos custos inicias e são altamente escaláveis, isto é, possuem uma expectativa de crescimento muito grande quando dão certo. Eric Ries, autor do livro ‘Lean Startup’, define startup como “um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza”.

Fase de arranque de uma empresa onde se inicia o desenvolvimento de produtos/serviços para comercialização.

Uma tabela de capitalização totalmente diluída é a participação percentual individual remanescente detida pelos acionistas se todas as possíveis fontes de conversão, tais como obrigações convertíveis e opções de compra de ações (stock options), forem exercidos.

Uma parcela de um investimento mais visto/utilizado nas rondas de capital de risco. Em muitos acordos (principalm parcela/tranche/prestação da ronda é feita ao verificarem-se determinadas condições (milestones), tais como aprovação regulamentar. Cada tranche ou prestação de uma ronda fará parte da mesma ronda.

A evidência quantitativa da procura do mercado. É a prova de que o produto ou serviço é necessário e pode ser expresso, conforme o caso, com diferentes métricas (receitas, margens, membros ativos, utilizadores registrados, tráfego).

Uma proposta não vinculativa que traça os aspetos principais de um investimento a ser realizado numa empresa. A proposta estabelece a base para preparação dos documentos legais detalhados.

As startups com um valor de mercado superior a 1000 milhões de dólares (cerca de 900 milhões de euros), um clube que conta com pouco menos de 200 empresas em todo o mundo.

Indicador de quanto vale uma empresa calculada como capitalização de mercado, incluindo todas as dívidas e os interesses de capital próprio, menos o excedente liquido.

Vantagem que uma empresa detém em relação aos seus concorrentes, geralmente demonstrada pelo seu desempenho superior.

A valorização antes do aporte (pre-money) refere-se ao valor atribuído a uma empresa antes dos investidores investirem o seu capital; A valorização após o aporte (post-money) é quanto a empresa vale depois de infusão de capital. A maioria das referências são feitas à valorização da empresa após o aporte. As valorizações antes do aporte podem ser calculadas ao subtrair o valor investido do valor da valorização após o aporte.

O valor acumulado que determinado(s) terceiro(s) admite(m) atribuir a uma empresa na qual quer(em) adquirir uma determinada participação e que é de uma forma general aceite pelos atuais acionistas de forma a permitir a realização de uma transação de saída.